segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Uma chuva de HAI-KAIS de Mônica Menezes


Hai-kai cotidiano

A poesia
escorreu pelo ralo da pia
enquanto eu lavava os pratos


Hai-kai para o muro

Para Sarah


A menina na janela
não vê o muro
seus olhos têm habilidades de firmamento


Hai-kai benjaminiano

Meu avô
é uma cadeira de balanço
vazia



Hai-kai quase seco

O extenso rio
da minha infância
tornou-se lama entre meus dedos

MÔNICA MENEZES. Poetisa sergipana radicada em Salvador.

8 comentários:

SANDRO ORNELLAS disse...

Muito bonitos, mesmo, mô.
Li para o Peps, que manda um beijo.

Anna disse...

Enxuta, sensível e certeira.
Parabéns!

ângela vilma disse...

De uma sensibilidade tocante.
Adorei, Mônica. Grande abraço.

Carlos Barbosa disse...

MM é verdadeiramente uma clareira ensolarada. Abr. Carlos

marta disse...

parab�ns. sua simplicidade toca diretamente o meu cora�o. beijos,

marta

M. Gallo disse...

O bom e velho Entre Aspas está de volta! E ao melhor estilo, límpido e preciso, de uma grande poetisa. Poetisa!

Mônica disse...

Amigos,

Obrigada pelo carinho.

Beijos,

Mônica

Renata Belmonte disse...

Poemas com classe, querida!
Beijos,
Renata