terça-feira, 6 de maio de 2008

Poema pra sentir dor

No fim do mundo nasceu um menino
que come pêras como quem chupa manga;

seus pés, seus dentes e seu dorso
são só poesia...
até as costelas
que agora lhe perfuram os rins
teimam em recitar versos.

Enquanto isso,
sorrio no espelho
e tenho pena da pobre criatura.

Pra que tantos dedos?


EDSON OLIVEIRA DA SILVA reside em Santo Estevão - BA. Cumpre mestrado em literatura e diversidade cultural pela UEFS.

Um comentário:

Professor disse...

Acredito que o referido menino, do fim do mundo (3ºmundo), seja pobre e que, em alguma ocasião especial, teve acesso a uma pera. Sua fisionomia (estou imaginando/visualiuzar sua aparência) parece ser de um menino com carrência alimentar, dai as "costelas perfurarem os rins". No final uma surpresa: "sorrio no espelho e tenho pena da pobrecriatura".
A criatura é você mesmo, "menino da Africa"?