sexta-feira, 27 de abril de 2007

Com a Palavra...

RENATA BELMONTE



1) Por que você escreve?

Como todos os seres humanos, eu carrego uma dor difícil de ser explicada, nomeada. A literatura não é a cura dela, mas apenas a forma que encontrei de buscar compreender a natureza desse mal-estar. Através das palavras procuro o imponderável, o invísivel de todas as coisas. Nem sempre consigo alegrias ou vitórias, em algumas situações, a ferida fica ainda mais inflamada. Esse tipo de exercício de sofrimento é algo que se tornou para mim essencial, tão penoso quanto prazeroso. Não sei viver sem traduzir meus medos e angústias. E concordo plenamente com Kafka quando ele diz que ser escritor, antes de uma dádiva de Deus, é uma ordem do inferno.



2) O que você gostaria de escrever e por quê?

A Legião Estrangeira de Clarice Lispector é um conto que me causa absoluta perplexidade. Gostaria muito de ter feito um trabalho como esse. Ele é um assombro, um raio de lucidez, há algo de insólito nele que me fascina. Acredito que Clarice, depois deste texto, não foi mais a mesma. Através da literatura somos capazes de compreender outros mundos e de avaliar melhor o nosso. E a Legião Estrangeira nos permite a devida compreensão de algo muito profundo: somos estrangeiros até para nós mesmos.

Renata Belmonte nasceu em 13 de março de 1982. Escreve desde a infância. Tem diversos trabalhos publicados em revistas literárias como Iararana, Cronópios, Bestiário e Blocos On Line. Aos vinte e um anos, ganhou o Prêmio Braskem Cultura e Arte - 2003 com o seu livro de estréia, Femininamente. É ainda autora de O que não pode ser, livro vencedor do Prêmio Arte e Cultura Banco Capital 2006.
(foto: Lucas Faellace)

4 comentários:

Personagem Principal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mayrant Gallo disse...

Primeiro Carlos Barbosa, com seu contraponto de dor e verdade, e agora Renata Belmonte, com sua sinceridade a toda prova... Quem será o próximo desta enquete tão reveladora? Abraço a todos, chefes e colaboradores, Mayrant.

Anônimo disse...

Muito obrigada pelo espaço!
Forte abraço,
Renata

Anônimo disse...

Renata, suas respostas pontuam com uma precisão incrível esse mistério que é escrever. E nelas podemos observar o quanto sua ligação com a literatura é visceral, profunda, verdadeira.
Parabéns. Abraços, Ângela Vilma.