terça-feira, 24 de abril de 2007

Da equipe

Nada a dizer

Um ponto qualquer do papel
é mar onde singra o poema.

Pena que nem sempre se vê,
se sente ou se escuta o sopro
do verso.

Verde, vereda
verdade!?

um convite à folha branca.

Georgio Silva (1981)



Poética


Vaga lembrança
A vozinha perdida na infância.

Paulo André (1978)



Composição

É frio o papel
Onde escrevo.

São invisíveis
As pontas atingidas
Pelo meu novelo.

É frio o verso
Que se rompe.

É fria a natureza
Da minha palavra.

Thiago Lins (1978)

3 comentários:

Anônimo disse...

Três belos poemas. Parabéns! Abraços, Ângela.

Carlos Barbosa disse...

Um abraço extenuado, rapazes. Mandem tudo, mandem mais. Abr. Carlos Barbosa

Lidiane disse...

Parabéns Georgio, Paulo e meu amigo Thiago!
Adorei os poemas! Abraços!