quarta-feira, 25 de julho de 2007

Perfil Especial

RECOMPENSAS

Foi ontem
Que aprendi a andar...

Hoje mesmo,
Pela manhã,
Que comecei a escrever...

Agora, à tarde,
O primeiro livro.

E mais tarde,
À noite,
O travo azedo
De ter sido.


O UNIVERSO

Olhei hoje
Uma mosca
Sobre o açúcar...

Olhei-a
Por longo tempo...

Estava morta.

Mas num dos olhos
Netuno...

E no outro
Vênus.


CÂMBIO

Trocamos continuamente
Os dias e os livros.

Trocamos quase tudo.
Até sorrisos.

E aperto de mãos
E olhares
E gritos.

A vida a isso resumida.

A uma troca infinita
Que expira.


POEMA SOLTO NO ESCURO

O lado vazio da cama
É a presença humana
Que mais atemoriza...


MAYRANT GALLO (1962). Contista e poeta. Autor de O inédito de Kafka (CosacNaify, 2003) e Recordações de Andar Exausto(Aboio Livre, 2005).

6 comentários:

Palavras e co-lirius disse...

Mayrant, sempre um poeta legítimo e inédito!

Não sou um decifrador de autores quando leio suas obras. Mas não é tão difícil perceber que poesias como essas são de Gallo, afinal sua escrita poética lhe é singular. Gosto disso, gosto de seus poemas!
Valeu!
nilson

Lidiane disse...

Parabéns Mayrant, pelo aniversário e pelos poemas!

ângela vilma disse...

Mayrant, tentei um comentário no "Contramão" mas não consegui (as letrinhas não estão aparecendo). Então vai aqui o mesmo comentário (tanto serve para Mauro Mota como serve para você):
Poemas de uma beleza eterna, Mayrant, para comemorar seu aniversário. Parabéns!
Um abraço,
Ângela.

Daniela disse...

A literatura de Mayrant mudou minha vida, em muitos aspectos.

Gustavo Rios disse...

grandes escritos
mínimos
como devem ser as coisas boas

katherine funke disse...

pô, mayrant - cada verso teu revela um universo... e para quem te lê a troca é intensa. obrigada por existir. e feliz aniversário!