quarta-feira, 1 de agosto de 2007

"Perfil" (19)

DICOTOMIA

Estou só.
Não quero o homem que me quer
E há um sol que eu quero em meu rosto.

Crescer é fogo, amor, consome.
Perdoe o medo, o nojo, a fome.
Amar é doce, enjoa.

Não quero o pássaro que tenho nas mãos.
Eu preciso é dessa ave que voa.


KÁTIA BORGES (1968) é jornalista, poeta e contista. Tem publicado De volta à Caixa de Abelhas (poemas, 2002). Participou das coletâneas Sete cantares de amigos (2003) e Concerto lírico a quinze vozes (2004). Tem poemas e contos publicados na revista Iararana (números 1 e 5). Mais textos da autora no endereço www.mmeka.blogspot.com.

7 comentários:

SANDRO ORNELLAS disse...

Kátia, seus poemas me tocam muito. Seu poder parece de outro tipo, não é o do domínio das formas, mas o de uma espécie de despoder, um saber-ceder. Ih... viajei.
Sandro

Mayrant Gallo disse...

Kátia Borges é uma das melhores, daqui da Província e do País... Dá prazer ler, e como aprendemos sobre nós mesmos!

Marcela disse...

Que poema lindo! Parabéns, Kátia. Lembrei de uma música que adoro: "If I could fly", do Helloween. Só assim poderia ter esse pássaro que voa...

ângela vilma disse...

A poesia de Kátia é um alento, um consolo, uma alegria. Poesia que veio realmente para ficar. Abraços.

Valdo disse...

Amo este poema! Ele me consome... E não quero crescer. Quiçá permanecer enjoado, hehehe!... A Kátia é muito ágil aqui, as imagens e as cores muito felizes, fazendo a gente brincar com coisa séria. Nota 10.

Maria Muadié disse...

Nossa! Não conhecia esta poesia. Adorei.
Martha

Kátia Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.